sexta-feira, 28 de março de 2008

Nova linha de barracas Quechua 2008. Tendas Seconds.


A Francesa Quechua ja colocou a vendas nas lojas da Décathlon sua nova linha de barracas modelos Seconds. As principais novidades são as barracas de base, que podem ser usadas para as refeições ou abrigo em caso de chuva. Seu diferencial em relação as barracas tradicionais da linha é a altura do teto (1,90 mt), suas quatro portas laterais e a possiblidade de encaixar uma barraca a outra. A montagem segue o modelo das demais, é só jogar para cima que esta montada.
Outro ponto interessante são as séries limitadas, com cores e desenhos totalmente irreverentes e descontraidos, eu achei muito legal.
Preço: 99,90 Euros. Em reais, 500,00 (certa vez cotei o preço de uma barraca na Décathlon e percebi que um Euro, equivale a quase cinco reais para a venda. O preço é maior devido aos trâmites de importação.)

Uma outra barraca de base da nova linha, tem duas saidas acopladas e exclusivas para o encaixe das barracas seconds. Leva o nome de barraca de base full. Preço: 149,00 Euros.

Pontos positivos:

  • Altura das barracas.
  • Quatro grandes portas.
  • Possibilidade se se acoplar uma a outra.
  • Facilidade de montagem.
  • Qualidade.
  • Resistência a chuva.
  • Cores opcionais.

Pontos negativos:

  • Depois de montada a barraca não fica firme justamente por ser alta.
  • Preço. (eu achei um pouco caro, mas qualquer barraca estrutural desse tipo está na mesma faixa)
  • Não é possivel acoplar outro modelo de barraca que não seja Quechua.
  • Peso de quase 10 kg. Levar nas costas nem pensar.

Eu estou até pensando em comprar uma, acho que vale a pena. Adorei o modelo 2 Seconds II e 2 Seconds III.

quarta-feira, 26 de março de 2008

Enquanto isso...

Bom, meu PC voltou da assistência técnica.

Por isso estou novamente fora do ar.

Acredito que todos tenham visto o novo visual do blog, espero que tenham gostado.

Enquanto isso, deixo a dica de visitarem o site da Quechua, a linha de produtos 2008 já esta disponível. Em breve comentários.

Um abraço.

André

sábado, 22 de março de 2008

The Pett - Banheiro químico para trilhas.

Falando em lenço umedecido, papel higiênico, eis que encontro a solução. Banheiro químico portátil usado em trilhas, acampamento e por forças armadas de diversos países. Detalhe para a facilidade de montagem e resisitencia do vaso em plástico. O video esta em Ingles, mesmo assim pode se entender o que é o banheiro.
Vídeo feito na Trilha Inca - Perú




Pergunta: A Sacola é um material hiper agressivo ao meio ambiente. Depois que vc "enche-lá" o que fará?

sexta-feira, 21 de março de 2008

Wing Cooler


Esta precisando de um produto dois em um? Um isopor de alta qualidade que se transforma em uma mesa para suas refeições. Super útil e interessante a um preço razoável. ( Eu compraria!)

Para comprar conheça essas lojas:
Para conhecer um pouco mais sobre o produto, conversar com quem tem o produto e ver fotos bacanas visite o blog do Alexandrito.

Dica, direto do Orkut!

Um item fundamental para quem acampa seja experiente ou não e que ninguém pode esquecer é o papel higiênico. Muitos campíngs, senão todos, tem esse problema principalmente em dias de grande movimento.

A maioria das pessoas leva o tradicional papel higiênico de casa para evitar complicações. Eu também faço isso, porem uma alternativa que muitos campistas estão utilizando é o lenço umedecido, aquele que as mães usam para limpar o bumbum dos bebes.

Porque levar e usar esse lenço? Principalmente pela várias utilidades que ele apresenta. Alem da tradicional (em substituição ao papel higiênico) ele pode ser usado para limpar ferimentos com maior facilidade, quem faz trilhas sente a dificuldade de não ter um local para tomar banho, o lenço pode ser usado para "quebrar um galho". Também pode ser usado seco como um guardanapo de papel comum. Super leve e compacto pode ser levado na mochila sem dificuldade.

O preço de um pacote com 100 unidades sai por menos de dez reais, e olha que esse pacote dura bastante.

Vale a pena pensar nessa dica no próximo acampamento.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Adventure Sports Fair

A Adventure Sports Fair 2008, principal feira da Hemisfério Sul de esportes e turismo de aventura, que acontece de 4 a 7 de setembro, no Pavilhão Imigrantes, em São Paulo, prepara uma novidade para esta edição: Uma área exclusiva para o setor de camping e seus equipamentos.

A MG do Brasil, organizadora do evento, a ABRACAMPING (Associação Brasileira de Campismo), o CCB (Camping Clube do Brasil), a APC (Associação Paulista de Campismo) e a AFCAMP (Associação Fluminense de Campismo) acertaram uma parceria inédita com o objetivo de promover o crescimento do setor e conquistar mais adeptos para esse estilo de vida.

A primeira ação concreta da parceria foi a inclusão do setor de camping e seus acessórios e equipamentos na Adventure Sports Fair. "Trata-se de uma oportunidade única já que os expositores do setor de camping estarão em contato com um público estimado em mais de 60 mil pessoas. Além disso, a diversidade de empresas que participam da Feira define um cenário propenso aos negócios", explica o diretor da Adventure Sports Fair, Sergio Franco.

A iniciativa traduz a nova tendência dos fabricantes de equipamentos e prestadores de serviços, que vêm investindo na estruturação de produtos e serviços cada mais abrangentes para os praticantes do campismo em geral.

Há muito o camping deixou de lado a improvisação como característica principal para dar lugar a uma abordagem muito mais sofisticada. "As pessoas precisam familiarizar-se com a nova realidade do camping no Brasil e no mundo e para isso a parceria com a Adventure Sports Fair é fundamental", diz o Secretário Executivo da Associação Paulista de Campismo, Airton Ventura. Segundo ele, o espaço reservado na feira permitirá revelar a forte evolução do o setor em termos de equipamentos e estrutura das instalações nos campings em todo o País.

Universo do camping

Uma associação perfeita entre praticantes de campismo, empresas e a vasta gama de produtos orientados ao setor estão se organizando para marcar presença no maior evento do setor de esportes e de turismo de aventura. "Reservamos uma área de grandes proporções para motor homes (veículos de recreação), equipamentos de toda ordem, além de um espaço para acomodar os caravanistas que venham à Adventure Sports Fair. Tal como acontece com os outros setores representados, queremos fazer da Feira o grande ponto de encontro dos amantes do camping", explica Sergio Franco, da MG do Brasil.

A estratégia visa incentivar o desenvolvimento do setor e também difundir a cultura do camping como um estilo de vida que vem conquistando cada vez mais adeptos no Brasil. Segundo Ventura, da Associação Brasileira de Campismo, "por ser a melhor interação entre o ecoturismo e o esporte de aventura, o campismo tem um forte apelo em todas as faixas sociais e econômicas da população. Além disso é uma atividade que não impõe restrições de idade e pode ser praticada em todas as regiões do Brasil. Nos últimos anos identificamos um crescimento de 20% no número de pessoas que pratica o camping", diz Ventura.

O incremento no universo de praticantes gerou um círculo virtuoso de negócios para as empresas do setor que passaram a atender uma demanda maior por produtos e serviços. "Outra vantagem oferecida pela Adventure Sports Fair é que, além de ser uma feira de público, o evento contribui para a geração de negócios uma vez que congrega a cadeia produtiva e de serviços dos vários segmentos representados", explica Sergio Franco, o diretor do evento.

Com 299 expositores na edição do ano passado, a feira gerou um volume de negócios equivalente a R$ 90 milhões graças a iniciativas como o Business Point, uma área exclusiva para interação comercial entre os expositores e o publico qualificado que visita o evento nos quatro dias de realização.

Com base nos resultados obtidos, os organizadores da Adventure Sports Fair projetam que este ano o Business Point consolide sua função de centro fomentador de negócios para os participantes do evento, que este ano abre as portas para as empresas do setor de campismo.

Ficha Técnica:

Adventure Sports Fair
Data: 04 a -7 de setembro de 2008-02-01
Local: Pavilhão Imigrantes – São Paulo
Realização e Organização: MG do Brasil
Informações:(11) 3816-2227
www.adventurefair.com.brwwwinfo@adventurefair.com.br

Para conhecer um pouco mais.
Detalhe: Não sei quem é o cara, mas o video ta legal.

terça-feira, 18 de março de 2008

Calma gente, o blog não faliu não....

Fala galera! tudo bem?

que o Alexandre pediu um sinal, aqui está!

Não abandonei o blog não, pelo contrario, estou acessando todos os dias...só não o atualizei, hehe....

O problema é que meu PC queimou na quarta feira passada e desde então só tenho acessado a net através de uma Lan house comunitária aqui em Jundiaí. A velocidade não ajuda muito, por isso so tenho lido meus emails e dou uma olhada no blog. Para isso tenho 30 minutos, e não da tempo para atualizar o blog.

Acredito que hoje eu pego o PC de volta (se não derem outra desculpa!) e ai tereremos o blog na sua plena atividade.

Um abraço a todos que tem acessado esses dias e sentido a falta de atualizações.

André

quarta-feira, 5 de março de 2008

Um perrengue daqueles....

Todo campista que acampa há algum tempo tem muitas historias para contar. Comigo não é diferente. Já passei por poucas e boas. Vou contar uma que aconteceu em Itu, algum tempo atrás.

Sexta feira, aproximadamente seis e meia da tarde.Como não conhecíamos, já que era a primeira que íamos ao Camping das Pedras, combinei com minha namorada de pega-lá no serviço e irmos direto, assim chegaríamos ao camping cedo e com o dia claro escolheríamos um local bacana. Até ai tudo bem. Entramos no camping e começamos a ver onde ficaríamos...

Dentro do camping eu tinha mais ou menos uma idéia de onde montar a barraca, (eu tinha um mapa do camping impresso através do site). Acontece que o mapa do site não era a mesma coisa que na realidade. Ai já viu...o lugar que eu tinha escolhido era uma área para mensalista e era proibido acampar com barracas. Vamos então procurar outro lugar.

Anda, anda, gastei mais gasolina rodando dentro do camping do que para chegar até lá. Quando de repente o tempo fecha, e alguns pingos começam a cair...as coisas começaram a complicar...Eis que surge um lugar legal, um pouco afastado, tranqüilo, bem plano, grama baixa e um visual paradisíaco...como o local era alto e a nossa frente não havia nenhum morro conseguíamos ver varias cidade no horizonte...local lindo. Descarregamos as coisas do carro e começamos a montar a barraca. Estiquei a extensão de luz e iluminei o local. A chuva começou a cair mais forte. Uma correria para montar a barraca antes que tudo molhasse. Quase tudo pronto e por um descuido...

Por um descuido minha lâmpada, a única que eu tinha levado, cai no chão e queima. No local não tinha nenhum tipo de iluminação, ficou um breu só e eu e minha namorada tentando desesperadamente terminar as montagens...eu só enxergava algo com os relâmpagos que iluminavam o céu a nossa frente, do resto era tudo uma escuridão total.

Barraca quase pronta, só faltava bater os espeques....uma rajada de vento quase levou a barraca embora, nossas coisas se espalharam por todos os lados. Nesse momento eu comecei a ficar nervoso. E o que fazer, pensei? Antes que falasse algo minha namorada já estava desmontando tudo e jogando no carro, a chuva veio forte e trouxe junto um vento que mais parecia um furacão.Guardamos as coisas no carro e saímos em busca de um lugar mais protegido mais armar a barraca.

Eu já tinha passado por todos os lugares varias vezes, mas vi um que não tinha reparado, encostado em uma pedra, o vento não chegava, era próximo ao banheiro, havia iluminação. Por uns instantes a chuva parou e armamos a barraca rapidamente, nunca tinha feito aquilo tão rápido. Ufa!....até que enfim...estávamos exaustos, todos molhados...Eu tomei um banho e capotei dormir. Agora sim, estava calmo novamente.O resto do fim de semana foi maravilhoso, até voltei ao lugar da noite passada ver se não tinha perdido nada, e vi que a escolha do lugar tinha sido errada...vida de iniciante é difícil....

Essa é uma das historias, tem mais algumas, aos poucos eu conto para vc’s.

Quem ai tem mais historias, ou perrengues para contar? Passem por e-mail que u publico aqui no blog.

Faça a manutenção e conservação correta.

Ao ar livre:

  • Cuidado com os raios de sol! – apesar de serem feitas para uso ao ar livre, os raios ultravioletas são prejudiciais ao náilon e podem danificar rapidamente a sua barraca. O dano causado é proporcionalmente igual ao tempo de exposição ao sol e à altitude e, uma vez ocorrido, é irreparável. Por isso, procure deixá-la montada o menor tempo possível. Em um uso normal na montanha, é comum desmontarmos a barraca pela manhã, quando saímos para caminhar, e montarmos no fim do dia, quando paramos para dormir. Assim, nas piores horas do sol, ela está seguramente guardada em sua mochila, longe dos raios ultravioletas. Procure, sempre que possível, montá-la em lugares com sombras e, em hipótese alguma, deixe-a montada indefinidamente no jardim... Lembre-se que a garantia não cobre defeitos ocorridos pelo desgaste causado pelo tempo ou mau uso da barraca
  • Comida – procure não guardar comida dentro dela, pois alguns animais podem ser atraídos pelo cheiro e podem danificá-la para conseguir acessar sua comida.
  • Não a toque! – pode parecer um pouco exagerado, mas a gordura de sua pele é corrosiva e pode afetar a impermeabilização de sua barraca... Portanto, procure não tocar na parte interna, sempre que isso for possível.
  • Duct Tape ou Silver Tape – talvez esta seja a maior invenção do ser humano, desde a roda... Leve sempre um pedaço desta fita adesiva em suas caminhadas e viagens. Ela serve para consertar praticamente tudo!
  • Fixe-a bem – apesar de muitas das barracas serem auto-portantes, nunca deixe de prendê-la no chão. E procure manter os cordeletes sempre com o mesmo tamanho. Isso irá protegê-la de estresse em determinadas partes, mais do que outras.
  • Procure não usar sapatos dentro dela – e conserve-a limpa por mais tempo...
  • Cuidado com o fogo! – nenhum náilon de barraca possui tratamento anti-fogo, apesar de algumas serem resistentes ao fogo, não permitindo que ele se propague, mas não impedindo que surjam buracos queimados no tecido. Não acenda fogareiros perto e muito menos dentro dela pois, além de prejudicial ao náilon, ele também pode roubar o oxigênio de dentro da barraca, sendo extremamente perigoso à sua vida. Jamais use velas ou lampiões dentro da barraca.
  • Um pouco de ventilação – cada pessoa perde cerca de um copo d'água por noite, entre respiração e transpiração. Para que você não acorde encharcado pela condensação de sua própria umidade no tecido da barraca, procure ventilá-la o máximo que puder. Se não estiver chovendo, esta tarefa se torna ainda mais fácil e você poderá deixar toda ou boa parte da porta aberta, apenas com o mosquiteiro fechado.
Em casa:

  • Guarde-a em lugar seco e ventilado – e, de preferência, fora do saco. Nunca, em hipótese alguma, guarde sua barraca úmida ou suja. Caso você precise desmontá-la ainda suja ou úmida, limpe-a e seque-a assim que possível – poucos dias são suficientes para ela começar a estragar e mofar, além da resina impermeabilizante ser atacada. Procure mantê-la sempre longe da umidade.
  • Redobre a impermeabilização de sua barraca – Com a exposição ao sol e a chuvas, chegará um tempo em que será preciso reimpermeabilizar o sobreteto de sua barraca.
  • Aprendendo a montá-la – nunca saia para viajar sem ter antes montado sua barraca e conferir se o conteúdo está completo. Aprender no meio da natureza, quando o sol está se pondo ou, pior, debaixo de uma chuva, não é a melhor hora. Fora isso, montá-la errado pode danificá-la seriamente já no primeiro dia de uso, sem contar com a desagradável descoberta de que seu amigo pode não ter devolvido as estacas que pediu emprestado na temporada passada...
  • Limpando-a – Não a lave em máquina de lavar nem a seco. Para limpá-la, use apenas uma esponja e água morna. Se você for limpá-la inteira, lave-a em uma banheira ou um tanque grande cheio de água fria. Nunca use água quente, amaciantes, detergentes, sabão em pó ou qualquer tipo de removedor. Se você quiser ou precisar usar um sabão, use sempre um biodegradável, que não seja detergente. Seque-a apenas na sombra – pode ser montando-a em uma sombra (e verifique se, durante o dia, a sombra permanece em cima da barraca) ou pendurando-a no varal. Nunca use máquina de secar! Depois de uma lavagem ou limpeza, poderá ser preciso reimpermeabilizá-la. Não deixe para descobrir isso quando for usá-la de novo...
  • Mantenha os zíperes felizes – os zíperes devem ser mantidos limpos e longe de partículas que possam emperrá-los. Água limpa e uma escovinha são suficientes. Procure não usar lubrificantes a base de petróleo. Se eles emperram com facilidade ou não correm como deveriam, procure amaciá-los com silicone em pasta ou líquido ou mesmo com parafina. Se você acampou perto do mar, limpe os cursores do zíper antes que comecem a oxidar, pingando em seguida algumas gotas de silicone. Mas, ATENÇÃO: silicone de verdade é transparente e espesso. Não compre aqueles vendidos para lustrar painéis de carros, que são dissolvidos e ficam muito fluidos, pois os solventes, corantes e perfumes adicionados podem piorar as coisas.
  • Tome um cuidado especial com as varetas – procure limpá-las e secá-las sempre depois do uso. E guarde-as sempre dentro do saco delas – isso irá reduzir o risco de rasgos ou furos no náilon da barraca, quando você colocar tanto as varetas quanto as estacas dentro do saco da barraca. Lubrifique as luvas de encaixe das varetas para que não se oxidem e, principalmente, trate-as com delicadeza, evitando flexioná-las demais na montagem. A maior parte dos problemas com varetas ocorre por acidentes em que algo ou alguém cai sobre a barraca. Lembre-se que as varetas são unidas por um cordão elástico para que o conjunto fique sempre unido e não para puxá-lo na desmontagem, o que acaba rompendo esta ligação.
  • Mofo – além do cheiro ruim, se a sua barraca mofar, isto irá destrui-la. O mofo usa a sujeira como nutriente para crescer e se reproduzir. Pior, ele cresce entranhado no tecido da barraca, o que também prejudica a impermeabilização. Se ele começar a crescer, lave-a imediatamente com água limpa e fria. Depois, passe uma solução de 1 copo de suco de limão e 1 copo de sal para três litros de água quente. Use uma esponja para espalhá-lo principalmente nas áreas afetadas e deixe secar naturalmente, sem enxaguar, nunca usando a luz do sol diretamente. Verifique se há necessidade de reimpermeabilizar.
  • Rasgos e outros problemas similares – se você o viu em casa, procure consertá-lo o quanto antes. Se o vir ao usar a barraca, tenha certeza de ter alguns metros de Duct Tape com você, para fazer um reparo de emergência até que possa consertá-la de forma mais definitiva. Depois do conserto, reimpermeabilize a área.
Fonte: Trilhas E Rumos

terça-feira, 4 de março de 2008

segunda-feira, 3 de março de 2008

Ibama proíbe visitação em cavernas de três parques em SP

Cavernas do Petar, Intervales e Jacupiranga estão proibidas de receber turistas.
Para diretor do Instituto Florestal, visitação segue normas rígidas de segurança.
Do G1, em São Paulo, com informações da TV Tem

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) proibiu a visitação de cavernas em três parques da região sudoeste do estado de São Paulo. De acordo com o Ibama, as cavernas foram interditadas porque o Instituto Florestal, responsável pelos parques, não realizou um plano de manejo nos locais.


As cavernas do Petar, Intervales e Jacupiranga estão proibidas de receber turistas. Segundo o Instituto Florestal, nesses parques existem 404 cavernas. As 46 que foram catalogadas e estavam abertas para visitação foram interditadas. O Ibama diz que era necessário um plano que determinaria quais os locais estariam aptos para visitação, sem que houvesse prejuízos às cavernas.

O diretor-executivo do Instituto Florestal, José Amaral Vágner Neto, disse que entrou nesta quarta-feira (27) com uma representação na Justiça para tentar a liberação das cavernas. Ele alega que o estado já forneceu a verba para a realização do plano de manejo e que a visitação de cavernas segue normas rígidas de segurança.

O estudo, segundo ele, será realizado por espeleólogos, especialistas em cavernas. Cerca de 225 monitores, que são pessoas que moram na região e vivem do turismo, estão parados com a interdição. Pousadas, hotéis e o comércio de várias cidades também serão afetados pela falta de turistas.

Campanha pro preços mais baixos!

Conversando com o pessoal que frequenta o blog, tenho ouvido de muita gente reclamações com relação ao valor das diárias dos campings e me incluo nessa. Como disse aqui outras vezes existem campings cobrando mais de R$ 30,00 reais para acampar, valor totalmente irreal.

Considerando o camping com uma estrutura excelente o preço máximo por essa diária deveria ser R$ 20,00 reais. Eu ainda acho muito, o ideal é quinze, mas dependendo da estrutura dá para pensar em vinte.

Galera, vale a pena pesquisar camping mais baratos e "fugir" de campings que não se enquadram dentro da realidade campismo. Boicotar é uma palavra que eu não gostaria de usar, mas sim evitar, acredito que assim os proprietários dos camping terão que refazer suas tabelas de preços.